Erros Frequentes no Preenchimento no Requerimento de Inscrição

Ajude-nos a melhorar a eficiência do processo de inscrição. Temos vindo a observar um conjunto de dificuldades e erros/enganos frequentes, que obrigam à devolução dos requerimentos, e atrasam todo o processo de inscrição.

Evite a devolução do seu requerimento.

Principais dificuldades e erros/enganos frequentes, que pode facilmente evitar:

1. Escolha da opção do formulário de preenchimento

O formulário está desenhado por forma adaptada a cada uma das situações mais comuns do trajeto formativo:

  • Fisioterapeuta formado em Portugal com Bacharelato (anterior a 1993);
  • Fisioterapeuta formado em Portugal com licenciatura Bietápica (1993-2008);
  • Fisioterapeuta formado em Portugal com Licenciatura (após 2008);
  • Fisioterapeuta formado num país de UE/EFTA;
  • Fisioterapeuta formado num país fora da UE/EFTA.

A escolha inicial da opção errada, conduz naturalmente a que o formulário abra opções que não estejam totalmente adaptadas, gerando dificuldades e erros de preenchimento.

Por exemplo, quem é licenciado através da frequência da licenciatura bietápica, e escolher a opção “Licenciatura ( após 2008 )”, vai ter o seu formulário devolvido para correção, por falta de dados.

Se tem dúvidas quanto ao formulário a seguir consulte os Guias Passo-a-Passo das Inscrições, para confirmar o seu trajeto de preenchimento do formulário, e os documentos que vai necessitar de submeter:

2. Não utilização do formulário de assinatura disponibilizado, e de caneta de cor correta

Deve ser utilizado o formulário de assinatura disponibilizado para o efeito, no site da Ordem, e utilizada uma caneta de tinta preta.

Esta será a assinatura a utilizar na sua cédula (cartão), pelo que o tamanho, a cor da tinta e o contraste são essenciais.

3. Não colocação do número de cédula da ACSS, no caso de quem possui esse documento

Este elemento é critico para o processo de análise da candidatura, e em particular para evitar a necessidade de confirmação da autenticidade das habilitações académicas submetidas em PDF.

Não se esqueça de colocar o número da cédula.

Se não se lembrar do número, consulte a base de dados da ACSS, clicando aqui.

4. Data de conclusão do curso incorreta

4.1.  Deve registar a data de conclusão do curso, não da emissão do diploma

A data de conclusão do curso está normalmente indicada no corpo do diploma/certificado, não no final.

A data de conclusão do curso, em particular do curso que lhe deu o acesso ao exercício profissional, que consta no seu diploma ou certificado de habilitações, é relevante para o cálculo global do seu tempo de exercício profissional (antiguidade).

Não deverá ser confundida com a data de emissão do próprio diploma ou do certificado, que normalmente é emitido em data posterior. No caso de ser emitida uma segunda via do Diploma essa diferença será naturalmente ainda mais acentuada.

4.2 – A data que deve colocar no formulário é a da conclusão do curso inicial, que lhe permitiu o acesso ao exercício da profissão

A data de conclusão do curso, em particular do curso que lhe deu o acesso ao exercício profissional, que consta no seu diploma ou certificado de habilitações, é relevante para o cálculo global do seu tempo de exercício profissional (antiguidade).

No caso de colegas com formação mais antiga, anterior licenciatura de Bolonha, têm surgido algumas dúvidas e erros de preenchimento, fáceis de evitar.

4.2.1 – Se o seu curso inicial não conferia um grau académico, mas obteve posteriormente uma equiparação ao grau de Bacharel, a data que deve colocar no formulário é da data da conclusão do curso inicial.

Exemplo: Para um curso de 1985, que foi objeto de equiparação formal em 1999, a data constante no formulário deve ser a de 1985.

Deverá, no entanto, apresentar os dois comprovativos: o da formação inicial e o do reconhecimento formal do grau académico. Como no formulário só existe um campo para submissão destes dois comprovativos, deverá proceder à cópia conjunta, num único PDF.

4.2.2 – O mesmo se aplica se realizou uma licenciatura Bietápica.

Tendo em conta que o primeiro ciclo da Licenciatura Bietápica a que corresponde o Bacharelato em Fisioterapia era, à altura, a habilitação suficiente para o exercício da profissão de Fisioterapeuta, e registo para obtenção da respetiva cédula profissional, será essa a habilitação de referência para fins estatísticos.

Nessa base, a data de conclusão do Bacharelato será a que iremos usar para contabilizar a sua antiguidade profissional.

Caso não tenha requerido esse certificado de conclusão do Bacharelato, deverá apresentar uma declaração sob compromisso de honra, com a respetiva data de conclusão.

Para facilitar a sua declaração poderá utilizar a minuta que se disponibiliza aqui.

5. Falta de documento comprovativo do domicílio profissional

Qualquer um dos seguintes documentos, atualizados, poderá ser aceite para inclusão:

  • Recibo de vencimento onde conste a morada profissional (pode ocultar os valores);
  • Declaração da entidade patronal onde conste a morada profissional;
  • Declaração de abertura de atividade nas Finanças;
  • Recibo verde onde conste a morada;
  • Declaração do IEFP nos casos aplicáveis.

6. Dificuldade em definir a extensão e detalhe do CV a submeter

O CV deve documentar a “experiência profissional relevante”.

O grau de detalhe da descrição dessa experiência profissional ficará, nesta fase, ao critério do requerente, e sob seu compromisso de honra.

Mais se informa que este campo ficará posteriormente disponível para atualização, a qualquer momento, e por sua livre iniciativa, na respetiva área pessoal, acessível através do site da Ordem dos Fisioterapeutas.

Também pode inserir o link para o seu CV, mas, nesse caso, assegure-se que ele fica acessível por essa via, sem necessidade de utilização de passwords.

Este site utiliza cookies para permitir uma melhor experiência por parte do utilizador.
Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização.