Frequently Asked Questions

Funções da ordem

The Ordem dos Fisioterapeutas is the professional public organization representing the interests of physiotherapy that, in accordance with its Statutes and other legal provisions, practice the profession. It is up to the Comissão Instaladora to:

a) Prepare and submit to ministerial approval the provisional regulations necessary for it to become operational, namely those related to electoral acts and the provisional value of registration fee;

b) Promote registration under the terms of the law and the Statutes;

c) Create and keep the national register of physiotherapists updated;

d) Perform all necessary acts for the it´s installation and start of operation;

e) Prepare electoral acts and call first elections for the governing bodies up to 30 days before the term of mandate, and decide on any appeals;

f) Convene the first General Council meeting, which includes taking office of the Bastonário (chairman), within 15 days after electoral results are posted, or decision on appeals are made;

g) Account for the mandate by submitting an official report to the Health Minister and the elected governing bodies of the Ordem dos Fisioterapeutas.

The primary roles are:

a) Regulate the access and practice of the profession;

b) Defend general interests of patients from services provided by members, enforcing citizens right's to health;

c) Represent and defend general interests of the profession, in national territory, ensuring its social function, dignity and prestige;

d) Exclusively assign physiotherapist professional title and professional certificate to its members;

e) Protect the professional title, including handling complaints about illegal practice of the profession, and becoming a part in criminal proceedings;

f) Certify the specialization qualification of a physiotherapist who meets the requirements set by the specialists’ member’s board;

g) Create and keep the professional registration of members updated;

h) Ensure compliance with ethics and professional deontology rules;

i) Use disciplinary power over its members;

j) Awards or honorary titles;

k) Offer services related to professional practice to members, accurate information, professional training and technical and legal support;

l) Collaborate with Public entities in pursuit of public interests related to the profession of physiotherapy;

m) Participate in legislation proposals regarding the profession;

n) Participation in official accreditation processes and evaluation of academic education that give access to the profession;

o) Recognize professional qualifications obtained outside Portugal, according to the Portuguese and European Union laws or international conventions;

p) Provide advice regarding scientific and technical matters, requested by any entity, national or foreign, public or private, when there is public interest for the profession;

q) Support the development of physiotherapy science and education;

r) Any other role committed by law.

Pursuant to the Law 122/2019, September 30, the Ordem dos Fisioterapeutas regulates the Profession, advocates Physiotherapy and protects citizens against unqualified exercise.

The Ordem dos Fisioterapeutas does not intervene in labour matters. Pursuant to article 4 of the Statutes, cannot exercise or participate in union activities or regulations of economic or professional member relations, without prejudice to promoting economic and social conditions of members.

The Ordem dos Fisioterapeutas will have a disciplinary board and has the power to act against malpractices or unqualified practice.

No, the Portuguese Parliament or the Government, is the Portuguese legislative organization, it´s responsible for creating laws. The Ordem dos Fisioterapeutas can regulate all relevant aspects of the profession.

The specialisation recognition process, as well as the certification of the title of specialist, is a competence of the General Council of the Ordem dos Fisioterapeutas as proposed by the board.

The Comissão Instaladora has no power to do so.

The Ordem dos Fisioterapeutas suggests that the reserved area of Physiotherapist or the space "Talk to us" on the website should be used.

Serviços/ apoio aos membros

The Comissão Instaladora of the Ordem dos Fisioterapeutas will not define the value of the membership fees, as this is not one of its responsibilities. This will be a decision process of the first elected Board.

Pursuant to article 4 of the Statutes of the Ordem dos Fisioterapeutas, paragraph 1, points d and f, it assigns the title of Physiotherapist and certified professional card.

Once specialisations are defined, it will also grant the title of specialist to Physiotherapists who comply with the requirements set by the competent specialization member’s board.

Pursuant to Law 122/2019, September 30, article 4, paragraph 2, "the Ordem dos Fisioterapeutas cannot exercise or participate in union or economic regulation activities or related to the professional relations of members."

No. All issues related to career progression, salary aspects, or others, are not duties of Portuguese Professional Orders, without prejudice to studying the underlying issues, that may be advocated by the Ordem dos Fisioterapeutas.

Physiotherapy, as a healthcare service is exempt from VAT. This will not happen if a physiotherapist has any other activity where the VAT is applied.

There may also be cases where some devices connected to physiotherapy may be subject to VAT, regardless of their rate.

Yes. The cost of issuing a duplicate of the certification card is in Fees and Emoluments Regulation.

The Ordem dos Fisioterapeutas does not promote situations of employability, without prejudice to official entities requests for this purpose, but may disclose if they are from other entities, provided that available contents are credible.

The Physiotherapist who still practice or intends to keep his professional card, must pay fees. If you do not intend to maintain the qualification to practice, you can suspend your registration with the Ordem dos Fisioterapeutas.

Inscrições

Pursuant to article 2 of the Regulation for Registration of the Ordem dos Fisioterapeutas:

1 - You are eligible to register if you:

a) Have a graduate academic degree in physiotherapy, completed after a program of study of no less than four curricular years, by a Portuguese higher education institution;

b) Have a foreign academic degree in physiotherapy, with equivalence to the program of study mentioned on the previous paragraph;

c) Are a national certified practitioner from EU Member States or European Economic Area whose qualifications have been obtained outside Portugal, pursuant to Article 67 of the Statute of the Ordem dos Fisioterapeutas.

2 - You can also register if you:

a) Are a Physiotherapist who, in accordance with Statutes and applicable legal provisions, is a certified practitioner;

b) Have a professional certificate of physiotherapist, issued under the terms of Decree-Law 320/99, August 11.

3 - The registration of third-country nationals whose qualifications was obtained outside Portugal, to which provisions of point c) of paragraph 1 apply, will also depend on the reciprocity of treatment, pursuant to international conventions, including those concluded between the Ordem dos Fisioterapeutas and the counterpart authority, in the country of origin of the interested party.

4 - The following can also register as members:

a) Professional societies of physiotherapy, including the branches of associative organizations of physiotherapists, created under the law of another country, pursuant to article 68 of the Statute of the Ordem dos Fisioterapeutas;

b) Permanent representations in national territory of associative organizations of physiotherapists, constituted under the law of another State, pursuant to article 69 of the Statute of the Ordem dos Fisioterapeutas.

5 - Registration to practice physiotherapy may be refused if:

a) You don’t have higher academic training pursuant to points a) to c) of paragraph 1, without prejudice to the provisions of paragraph 4, of article 1;

b) The person concerned has been punished with an interdiction or suspension of practice provided by law, or a criminal, administrative or disciplinary infraction.

6 - The recognition required for purposes of point c) of paragraph 1, must be requested by the interested parties.

7 - Enrolment can be in any of the specialisations recognized under the terms of the Regulation of Specialisations, once it is found.

The registration in the Ordem dos Fisioterapeutas will be carried out exclusively on the website, with no need to come to the headquarters for this purpose.

https://ordemdosfisioterapeutas.pt/inscricao-na-ordem-dos-fisioterapeutas/

Sim, mesmo que esteja registado na ACSS, ou tenha uma inscrição válida na APFisio, terá de se inscrever da Ordem dos Fisioterapeutas.

A inscrição na Ordem é obrigatória e é condição necessária para o uso do título profissional de Fisioterapeuta e o acesso ao exercício profissional.

Se se inscrever terá que pagar a inscrição. A inscrição na Ordem é condição obrigatória para o exercício da atividade. As taxas deste processo estão definidas por regulamento, e não estão previstas isenções. A inscrição na Ordem será relevante para comprovar a sua habilitação profissional na procura de emprego.

Estando desempregado; logo não exercendo a atividade poderá optar por protelar a inscrição até que haja exercício efetivo da profissão, seja em que moldes for, nomeadamente liberal. Deverá, contudo, fazer prova dessa situação, enviando à Comissão Instaladora da Ordem uma exposição com o respetivo documento comprovativo.

O valor das quotas e o respetivo regime de eventuais isenções só será definido pela primeira Direção a eleger em 15 de novembro de 2021.

The decision to register in the Ordem dos Fisioterapeutas and to maintain or suspend this registration is an individual decision, and a right of the person who has the qualifications/ requirements to do so.

However, only those registered can use the professional title of Physiotherapist and legally practice the profession.

A Comissão Instaladora da Ordem dos Fisioterapeutas não definirá o valor das quotas da Ordem dos Fisioterapeutas, uma vez que esta não é uma das suas competências. Este valor será definido pela primeira Direção a eleger em 15 de Novembro de 2021.

15 de Novembro de 2021 segundo Despacho Nº3657/2021, de 9 de abril, publicado em Diário da República, 2ª série, nº69, parte C.

O Estatuto da Ordem dos Fisioterapeutas, aprovado pela Lei n.º 122/2019, de 30 de setembro, bem como o articulado desta, possibilitam que a inscrição como membro da Ordem possa ocorrer a todo o tempo.

Este é o princípio aplicável a quem desejar iniciar sua atividade, como por exemplo os jovens licenciados ou profissionais de outros países em mobilidade para Portugal.

Contudo, com a criação da Ordem dos Fisioterapeutas o registo anterior na ACSS deixou de ser condição suficiente para o exercício legal da profissão de Fisioterapeuta, sendo agora necessária a inscrição na Ordem. Nessa base, todos os fisioterapeutas já em exercício deixaram de estar nas condições legais exigidas, pelo que devem inscrever-se no mais curto espaço de tempo possível.

Desde 13 de Maio de 2021 que estão reunidas as condições para a efetivação da inscrição na Ordem, e esta é condição legal para o exercício da profissão.

Por outro lado informamos que, de modo a  poder participar na eleição dos primeiros órgãos estatuários, ou a eles ser candidato, deve submeter o seu requerimento de inscrição até ao dia 6 de setembro de 2021, de modo a permitir o cumprimento e conclusão da tramitação prevista na FAQ 18 (Qual é a sequência administrativa do processo de admissão na Ordem?), até ao dia 7 de Outubro de 2021, data de encerramento do Caderno Eleitoral.

O processo de instalação da Ordem dos Fisioterapeutas, para a inscrição dos profissionais em exercício, culminará com a eleição dos Órgãos Estatutários, e estará concluído em Dezembro de 2021.

A inscrição na Ordem é obrigatória e condição legal para o exercício da profissão. As entidades patronais estão obrigadas a exigir a inscrição dos seus funcionários na Ordem, pelo que deverá cooperar com a sua entidade patronal para que não fiquem ambos em incumprimento. Se se tratar de um profissional liberal o exercício da profissão sem estar inscrito na Ordem configura também uma situação de incumprimento.

Embora os Órgãos Estatutários só entrem em funcionamento pleno a partir da respetiva eleição, marcada para 15 de Novembro de 2021, já se iniciaram atividades inspetivas no sentido da deteção de situações irregulares.

Qualquer um dos seguintes documentos, atualizados, poderá ser aceite para inclusão:

  • Recibo de vencimento onde conste a morada profissional (pode ocultar os valores)
  • Declaração da entidade patronal onde conste a morada profissional.
  • Declaração de abertura de atividade nas Finanças
  • Recibo verde onde conste a morada
  • Declaração do IEFP nos casos aplicáveis.

Sim. Uma empresa que empregue Fisioterapeutas tem de garantir que todos os seus profissionais estão legalmente habilitados para o efeito, logo deve exigir que todos os Fisioterapeutas apresentem cédula profissional válida emitida pela Ordem dos Fisioterapeutas. A empresa tem a responsabilidade acessória de pugnar pelo registo dos fisioterapeutas que emprega.

During this process of the foundation of the Ordem dos Fisioterapeutas, it may be sufficient to present the provisional document issued.

A inscrição e quotas são atos pessoais e intransmissíveis, sendo feitos pelos titulares das habilitações legais para o efeito. A possibilidade enunciada é uma situação estranha à Ordem e a existir de mero acordo entre a entidade referida e o fisioterapeuta singular em causa.

The personal data provided by the Physiotherapists will be treated according to the General Data Protection Regulation (GDPR).
https://ordemdosfisioterapeutas.pt/politica-de-privacidade/

De acordo com o Regulamento Geral da Proteção de Dados (RGPD), todos os dados fornecidos são tratados na estrita confidencialidade e não serão fornecidos a qualquer entidade externa. Ficarão guardados no sistema institucional sob a responsabilidade do Encarregado da Proteção de Dados da Ordem dos Fisioterapeutas.

Yes. All Physiotherapists who perform acts specific to the professional practice of Physiotherapy must register with the Ordem dos Fisioterapeutas.

Não. O seu número de inscrição é atribuído automaticamente quando submete o seu requerimento. Por seu turno, o número de cédula será atribuído após a análise do seu processo pelo Secretariado, pela Comissão Técnica de Admissões e pela Comissão Instaladora e após o pagamento final da inscrição, no valor de 100 €.

O número de cédula é atribuído por um processo automático, quando ficar concluído o processo administrativo de admissão, ao ser emitida a cédula provisória.

O número de cédula não será coincidente com o número de submissão, pois os processos podem ter ritmos diferentes de análise e deliberação, e alguns podem mesmo ter uma decisão negativa, e não chegar a ser emitida a cédula correspondente.

O processo de admissão inicia-se com a submissão do requerimento na plataforma, e tem os seguintes passos:

  1. Confirmação da submissão, e atribuição de um número sequencial de identificação do processo;

  2. Confirmação do pagamento da taxa de registo – início da contagem do tempo de análise do processo;

  3. Início da análise da conformidade do processo pelo Secretariado da Comissão Técnica de Admissão (CTA). Pode haver necessidade de alterar ou completar o processo. Nesse caso o requerente é notificado e o tempo de análise fica suspenso, até à resolução da situação pelo requerente.

  4. Confirmação pelo Secretariado da CTA de que o processo está em condições de ser analisado pela CTA. O processo é distribuído a um membro da CTA para dar início à elaboração do parecer.

  5. A CTA faz a análise detalhada do processo, e submete à Comissão Instaladora (CI) proposta fundamentada de deliberação de aceitar ou não aceitar a inscrição do requerente.

  6. A CI analisa a proposta da CTA e delibera em conformidade (ou não) com a proposta da CTA.

  7. O requerente é informado da admissão na Ordem, sendo-lhe solicitado o pagamento da inscrição.

  8. Com a confirmação do pagamento da taxa de Inscrição, é emitida uma cédula provisória que certifica a admissão na Ordem. Neste processo é atribuído o número sequencial da respetiva cédula.

A CI decidiu internamente recomendar aos serviços da Ordem que o período entre a confirmação do pagamento da taxa de registo (50€), e a deliberação de aceitação ou não da inscrição por parte da Comissão Instaladora, não deveria ser superior a 30 dias consecutivos.

Este prazo não inclui, naturalmente, os períodos de paragem de contagem de tempo, referentes à atualização ou apresentação complementar de dados, por parte do requerente, quando solicitados pelo Secretariado da Ordem).

Pode acompanhar a evolução do seu processo voltando a entrar no site da Ordem, no mesmo local e com a mesma sequência de identificação pela chave móvel que utilizou no processo de submissão do requerimento de inscrição.

Ao entrar de novo no seu processo terá de imediato a indicação da fase em que o mesmo se encontra.

O CV permite documentar a “experiência profissional relevante”, que é uma exigência do formulário do requerimento de inscrição, em particular no caso de profissionais em mobilidade, vindos de outros países.

Embora o Regulamento não indique explicitamente a necessidade de apresentar um CV, a sua apresentação facilita o processo de apreciação dos requerimentos.

O grau de detalhe da descrição dessa experiência profissional ficará, nesta fase, ao critério do requerente, e sob seu compromisso de honra. Mais se informa que este campo ficará posteriormente disponível para atualização, a qualquer momento, e por sua livre iniciativa, na respetiva área pessoal, acessível através do site da Ordem dos Fisioterapeutas.

A data de conclusão do curso, em particular do curso que lhe deu o acesso ao exercício profissional, que consta no seu diploma ou certificado de habilitações, é relevante para o cálculo global do seu tempo de exercício profissional (antiguidade).

Não deverá ser confundida com a data de emissão do próprio diploma ou do certificado, que normalmente é emitido em data posterior.

No caso de ser emitida uma segunda via do Diploma essa diferença será naturalmente ainda mais acentuada.

A data que deve colocar no formulário é a da conclusão do curso inicial.

A data de conclusão do curso, em particular do curso que lhe deu o acesso ao exercício profissional, que consta no seu diploma ou certificado de habilitações, é relevante para o cálculo global do seu tempo de exercício profissional (antiguidade). Se o seu curso inicial não conferia um grau académico, mas obteve posteriormente uma equiparação ao grau de Bacharel, a data que deve colocar no formulário é da data da conclusão do curso inicial.

Exemplo: Para um curso de 1985, que foi objeto de equiparação formal em 1999, a data constante no formulário deve ser a de 1985.

Deverá, no entanto, apresentar os dois comprovativos: o da formação inicial e o do reconhecimento formal do grau académico. Como no formulário só existe um campo para submissão destes dois comprovativos, deverá proceder à cópia conjunta, num único PDF.

Sim, o primeiro ciclo da Licenciatura Bietápica a que corresponde o Bacharelato em Fisioterapia era, à altura, habilitação suficiente para o exercício da profissão de Fisioterapeuta, e registo para obtenção da respetiva cédula profissional. Bastará apresentar o certificado comprovativo dessa habilitação.

Tendo em conta que o primeiro ciclo da Licenciatura Bietápica a que corresponde o Bacharelato em Fisioterapia era, à altura, a habilitação suficiente para o exercício da profissão de Fisioterapeuta, e registo para obtenção da respetiva cédula profissional, será essa a habilitação de referência para fins estatísticos.

Nessa base, a data de conclusão do Bacharelato será a que iremos usar para contabilizar a sua antiguidade profissional.

Caso não tenha requerido esse certificado de conclusão do Bacharelato, deverá apresentar uma declaração sob compromisso de honra, com a respetiva data de conclusão.

Para facilitar a sua declaração poderá utilizar a minuta que se disponibiliza aqui.

O preenchimento dos campos/opções para a obtenção do Registo Criminal deverá ser o seguinte:

Tipo de Finalidade: Exercício de profissão ou atividade de natureza privada
Finalidade: Profissão/atividade sem lei especial – Lei 37/2015
Função/Cargo/Categoria: Fisioterapeuta
Entidade/Empresa: Inscrição na Ordem dos Fisioterapeutas – Lei 122/2019, de 30 de Setembro

Todas as informações relativas ao preenchimento e documentos necessários para a inscrição encontram-se descritas no site da Ordem

https://ordemdosfisioterapeutas.pt/inscricao-na-ordem-dos-fisioterapeutas/

Na defesa dos consumidores/utentes dos serviços de Fisioterapia, a Ordem como entidade pública, tem de garantir que os seus membros reúnem os requisitos legais necessários para o exercício da atividade, sem restrições, tanto no plano das habilitações profissionais como no plano disciplinar/criminal com aquela eventualmente conexo.

Neste caso deverá aceder à plataforma e carregar no botão “início de sessão manual”.

 Para prosseguir, deverá ter consigo uma cópia em PDF do seu BI vitalício, para   submeter na plataforma.

No seguimento desta submissão, o Secretariado da Ordem irá analisar a seu pedido e, oportunamente, enviará um email de resposta.

Neste caso deverá aceder à plataforma e carregar no botão “início de sessão manual”.

 Para prosseguir, deverá ter consigo uma cópia em PDF do seu documento de identificação, para   submeter na plataforma.

No seguimento desta submissão, o Secretariado da Ordem irá analisar a seu pedido e, oportunamente, enviará um email de resposta.

O encaminhamento do seu pedido dependerá do país onde obteve as suas habilitações e de já estar, ou não, registado na ACSS.  

Se as suas Habilitações foram obtidas em Portugal, a ACSS deixou de ter jurisdição no reconhecimento das mesmas para o exercício profissional. Passou a ser a Ordem dos Fisioterapeutas, pelo que o seu requerimento poderá ser aceite, e ser-lhe-á dado o acesso ao preenchimento do formulário online.

Se as suas Habilitações foram obtidas fora de Portugal, mas já estiver registado na ACSS o seu requerimento poderá ser aceite, e ser-lhe-á também dado o acesso ao preenchimento do formulário online.

Se as suas Habilitações foram obtidas fora de Portugal mas não estiver registado na ACSS, neste período transitório até à eleição dos órgãos da Ordem, terá que proceder primeiro a esse registo, e só depois poderemos aceitar o seu requerimento de inscrição na Ordem.

  1. Só tem de se inscrever na Ordem quem pretender exercer a atividade de Fisioterapeuta em Portugal.  Este facto pressupõe, em princípio, a posse de um NIF português, e de uma morada associada a esse NIF.

  2. É obrigatório ter uma morada profissional no nosso país. Essa morada é essencial para a alocação a uma delegação regional, e para envio de correspondência oficial da Ordem.

  3. A morada profissional pode ser a “casa de morada de família”/domicílio, devidamente certificada, no caso de não ter um vínculo com instituição que lhe possa emitir a correspondente declaração.

  4. No caso de o requerente não ter um NIF Português, poderá exercer em Portugal e manter a sua situação tributária regularizada em outro país, contudo terá de ter sempre uma morada profissional no nosso país, nos termos do nº 2.

Sim, desde que respeite algumas condicionantes.

A inscrição e o subsequente pagamento de quotas só são obrigatórios no caso de desejar exercer a profissão em Portugal, mesmo que mantenha a sua residência no estrangeiro.

Contudo, para a inscrição e para o exercício da profissão em Portugal deverá ter uma morada profissional no país. Essa morada é essencial para a alocação a uma delegação regional, e para envio de correspondência oficial da Ordem.

Deverá apresentar um dos comprovativos habituais dessa morada.

No caso de não ter uma morada habitual no nosso país, poderá indicar uma morada de um familiar ou de alguém a quem confie essa responsabilidade de encaminhamento da correspondência (nomeadamente a morada alocada à obtenção do NIF nacional).

A comprovação poderá ser efetuada através de uma declaração de compromisso de honra da pessoa que detém essa morada, devendo nesse caso ser anexado um dos comprovativos habituais de residência dessa pessoa que confirmem a morada.

Embora esteja a residir no estrangeiro, para o exercício da Fisioterapia em Portugal tem de ter um domicílio profissional de referência. No caso de possuir um NIF português, deve apresentar o domicílio que está associado a esse NIF( casa de morada de família) indicando o nº da repartição de finanças a que corresponde o seu NIF. Não exercendo em Portugal, pode proceder apenas à inscrição para efeitos de reconhecimento para o exercício no País efetivo/Estado – membro da prática.

Para o exercício da Fisioterapia em Portugal tem de ter um domicílio profissional de referência.

No caso de possuir um NIF português, deve apresentar o domicílio que está associado a esse NIF, indicando o nº da repartição de finanças a que corresponde o seu NIF.

Não possuindo domicílio profissional autónomo no Estado membro de exercício efetivo, deve indicar o da residência como se fosse aquele, caso a legislação desse País não o proíba.

No caso de ser cidadão de um país fora da União Europeia deve possuir autorização legal para residência em Portugal e dar como referência a morada associada a essa autorização.

Em todos os casos a emissão da cédula profissional ficará dependente da comprovação da posse de um domicílio profissional português.

Sim.  Como a habilitação é obtida em Portugal, a ACSS deixou de ter jurisdição no reconhecimento das mesmas para o exercício profissional. Passou a ser a Ordem dos Fisioterapeutas.

Contudo, como a Entidade Competente para efeitos da Diretiva é a ACSS, os cidadãos em causa, recém-formados, neste período transitório até à eleição dos órgãos da Ordem, devem, depois de obter a cédula na Ordem, solicitar à ACSS as declarações necessárias ao processo de mobilidade.

Pursuant to article 10 of the Registration Regulation:

"Membership in the Ordem dos Fisioterapeutas is cancelled for members who:

a) Are subject to the disciplinary measure of expulsion;

b) Willingly quit practicing their professional activity and express that to the Board."

Pursuant to article 9 of the Registration Regulation:

" Members are suspended from the Ordem dos Fisioterapeutas when they: "

a) Are subject to the disciplinary suspension measure;

b) Require it when they want to temporarily interrupt the practice of Physiotherapy, as long as they liquidate outstanding fees, if any;

c) Are in a situation of incompatibility with the professional practice of physiotherapy, "

Este site utiliza cookies para permitir uma melhor experiência por parte do utilizador.
Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização.